domingo, 6 de março de 2011

"O amor supera tudo"

Foto: Lycia (Tara VanFlower e Mike VanPortfleet), 1997.

38. "Vocês ouviram o que foi dito: 'Olho por olho e dente por dente!'
39. Eu, porém, lhes digo: não se vinguem de quem fez o mal a vocês. Pelo contrário: se alguém lhe dá um tapa na face direita, ofereça também a esquerda!
40. Se alguém faz um processo para tomar de você a túnica, deixe também o manto!
41. Se alguém obriga você a andar um quilômetro, caminhe dois quilômetros com ele!
42. Dê a quem lhe pedir, e não vire as costas a quem lhe pedir emprestado."
43. "Vocês ouviram o que foi dito: 'Ame o seu próximo, e odeie o seu inimigo!'
44. Eu, porém, lhes digo: amem os seus inimigos, e rezem por aqueles que perseguem vocês!
45. Assim vocês se tornarão filhos do Pai que está no céu, porque ele faz o sol nascer sobre maus e bons, e a chuva cair sobre justos e injustos.
46. Pois, se vocês amam somente aqueles que os amam, que recompensa vocês terão? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa?
47. E se vocês cumprimentam somente seus irmãos, o que é que vocês fazem de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa?
48. Portanto, sejam perfeitos como é perfeito o Pai de vocês que está no céu."
Mateus 5, 38-48

O Vencedor - Los Hermanos

Olha lá, quem vem do lado oposto
Vem sem gosto de viver
Olha lá, que os bravos são
Escravos sãos e salvos de sofrer
Olha lá, quem acha que perder
É ser menor na vida
Olha lá, quem sempre quer vitória
E perde a glória de chorar
Eu que já não quero mais ser um vencedor
Levo a vida devagar pra não faltar amor

Olha você e diz que não
Vive a esconder o coração

Não faz isso, amigo
Já se sabe que você
Só procura abrigo
Mas não deixa ninguém ver
Por que será?

Eu que já não sou assim
Muito de ganhar
Junto às mãos ao meu redor
Faço o melhor que sou capaz
Só pra viver em paz

--

Acredito que o texto de hoje vem a ser mais um desabafo do que uma teorização, diria. Somente o amor é capaz de curar todas as dores, adianto. Correlacionarei a foto, o texto bíblico e a composição musical logo abaixo.

#-#-# (In) Blurry Oblivion #-#-#


O mundo de caos completo continua lá fora. E o que continua em nossos corações? O que se passa por estes tempos em Minha Vida são momentos de angústia e isso não nos leva a nenhum rumo coerente. Não tenho visto nada com percepção, apenas com sensação e isso não é bom.

Oferecer uma face quando a outra acaba de ser ofendida é atitude para os grandes sábios, como foi Jesus Cristo. O que diz o texto bíblico logo acima é o que convivo por aí e tenho certeza que todos também. Somos perseguidos, pois perseguinmos primeiro, logo, batemos na face do outro e recebemos o mesmo tapa de volta. São raras pessoas que nos oferecem as duas faces. Eu fiz a minha própria face palco de minha tortura: bati nas duas, pois não tenho quem faça isso por mim. Isso ocorreu somente quando de fato percebi que não estava percebendo nada. As minhas colocações não me levam a lugar algum. Por isso estava com falta total de percepção das coisas.

Após este processo, eu ainda estava sendo errante comigo mesma. Esta música dos Los Hermanos possui um contexto tão trivial, mas é algo que não praticamos. Sempre queremos vencer e ainda por cima dos outros. O que me basta nesta música é apenas a última estrofe. Nunca fui muito de ganhar, porém nunca fui muito de viver em paz. Sempre tem algo me incomodando muito ao meu redor. Fazer o melhor é a saída para viver bem consigo mesmo, ainda, o melhor do que sou capaz. Eu sei o que há de melhor em mim, porém não coloco em prática há tempos... Calar, ouvir e absorver, e mais nada. Eis a sabedoria do cotidiano.

São tantas tolices que temos que ouvir dos outros ou aturar que há momentos que não tem como suportar. Querer entender outro e se sentir entendido por este não é uma boa idéia, às vezes. Calar, ouvir e absorver sempre é a melhor saída para a paz plena.

No geral, não podemos nos julgar e julgar aos outros, mesmo se você se sinta ameaçado e totalmente humilhado. Amar quem te julga é como a amar a você mesmo que julga o outro. Se você é capaz de amar a si mesmo que julga o outro, porque não é capaz de amar o outro que te julga? Vivemos numa relação recíproca de ódio... Penso que o correto seria amar a si mesmo e assim amar o outro, sem julgá-lo. E neste interevalo entra o sabedoria do calar, ouvir e absorver. Assim viveremos sem discórdias ou angústias inexplicáveis. Tentar enteder o julgamento do outro é a melhor saída e mesmo assim contiuar amando-o. Não adiante procurar abrigo e não deixar amostra as suas atitudes, como diz na música, pois não estamos sendo sincero com nós mesmos e nem com o outro. Não seremos perdedores ou menores na Vida, é apenas um modo de viver em paz, somente.

Nisso, a foto vem exemplicar algo muito nítido. A minha teoria (In) Blurry Oblivion prega todos os nossos esquecimentos que insistimos em embaçar. Percebam que na foto há uma mulher ao centro, embaçada, e um homem logo atrás, esquecido e embaçado. É neste círculo vicioso é que vivemos. Embaçamos nós mesmos para esquecer e ainda embaçar o outro. Não importa quem seja...

Por fim, acredito que a paz e a boa conviência está em nossas mãos. A partir de um amor sem julgamentos a encontraremos. Por isso o título desta postagem, acredito que somente o amor supera tudo, tudo, tudo. Basta calar, ouvir e absorver, mais uma vez repito. Dê a opinião dos outros a si mesmo e se julgue antes de julgar o outro, acredito que terá coisas bem piores do que aquelas que está julgando o outro. Ame o outro como a você mesmo, não julgue você e nem outro. Ouça calúnias, mas o ame mesmo assim. Faça o melhor, e digo ainda, mais do que seja capaz.

Eis o segredo do bem-estar.

(In) Blurry Oblivion, até a próxima.


6 comentários:

João Paulo, vulgo zeh disse...

Evy Mith, passamos pelas msm situaçoes. Todo mundo passa por isso, mas mtos nao sabem se expressar e reconhecer o q é errado em nos. Parabens por esse ato tao lindo! Me encontrei em teus escritos (como sempre) e acho q sei pq escreveu isso... Foi aquilo q conversamos, vc colocou as suas coisas, eu coloquei as minhas e chegamos a diversas conclusoes. As suas foram essas q estao escritas aqui, as minhas ainda nao tive coragem de praticar e nem sei escrever... hehe... Vc esta perto de praticar pois conseguiu fazer uma bela teoria (acho q isso é uma teoria) e ja mentalizou tudo. Eu q sou um merda nao sei o q fazer... help! hehe... Adoro-te, bjoks... ;)

Renato Hemesath disse...

Olá caríssima ! ! !

Um dos detalhes interessantes dos intervalos entre as tuas postagens é que assim dá tempo de eu acompanhar uma por uma - já que eu também tenho levado um certo tempo para atualizar o blog - assim eu não perco nenhuma parte. ;)

Não sei se comentei isto antes, acredito que não, gostei muitíssimo desta estrutura que você tem apresentado nas postagens, relacionando textos bíblicos com letras de música e a construção da tua teoria. Esta iniciativa é algo que admiro muito nas pessoas, mas é ao mesmo tempo, pouco habitual. O que quero dizer com isto tudo? que acho louvável darmos o "nosso tom" em tudo aquilo que fazemos, é não desvencilhar-se de um estilo próprio, que pode ser lapidado com o cotidiano, basta arriscar-se e ser ousado, como tu tens sido.

Sobre as duas faces, é bastante simbólico a meu ver, e por isto, muitos não compreendem. Há situações em que dar a segunda face é arriscar-se em direção a algo que sonhamos, ainda que os resultados não sejam os esperados. ma sé permitir-se, é não ter medo de levar um segundo golpe, sendo capaz de crescer com ele. Pensando no nosso curso, há muito disso: as frustrações que experenciamos não devem nos limitar, é válido que alcancemos um colorido diariamente para chegarmos aonde previamente nos projetamos.

Eu concordo com o Calar, ouvir e absorver mas desde que seja com um enfoque construtivo, como o teu! daqueles que nos fazem pensar que diante de algumas pessoas "não irei me cansar" - ouvir e calar-se, pois com toda certexa há conversações que agridem os bons princípios de saúde mental e bucal. haha, tendo em vista que a saúde bucal, conforme escutei uma vez, é além do âmbito odontológico, mas é algo que deve ser construído conforme o valor das conversas que estabelecemos.

Enfim, fique bem e espero que tenha um ótimo retorno ao cotidiano pós-festa! :D

Tudo de bom prá ti! =)

Beijos

Daniel disse...

Hey doce princesa!
eu faço questão de ler cada linha sua, sabe por que?
toda ela é irradiada de sentimentos e de conceitos que tu levas para uma vida toda, li tais palavras com lágrimas nos olhos, pensando em minhas atitudes, e que muitas vezes deveria oferecer a outra face. Penso que meu defeito é ser orgulhoso demais, e muitas vezes gosto de atingir meus objectivos. Então, você vem e me ensina dessa forma tão poemática e com ensinamentos do nosso Pai Divino que Tudo sabe. Não sou muito católico, mas tenho Deus em todo o meu ser e sei que ele está em mim. Você como poucas sabem se expressar de forma linda, tu és um anjo na terra garotinha e terás um futuro incrível e eu ainda espero poder vir aqui muitas vezes e ler todos os seus fascinios e tudo o que anda fazendo de sua vida. Sim, eu vou aplicar seus ensinamentos.
Beijos e continue assim!

Dan

Renato Hemesath disse...

Oi caríssima ! ! !

Desta vez atualizei antes de ti.
Enfim, 6ªf estava em direção à Livraria Cultura, aqui próx. a av. Paulista e pensei: - Como será que a caríssima está? o que ela compraria para ler hoje? eheheh

Enfim, comprei coisas interessantes para ler e para ver, depois compartilho com você.

Finalmente postei no blog a resenha do filme do Todd Solondz que foi lançado no ano passado. Aquele que eu vi no cinema, ficou menos de 1 semana em cartaz :( uma análise muito especial para mim.

Achei muito interessante o teu comentário sobre o filme "Uma cruz a beira do abismo". É intrigante, o tema por si só é delicado de ser abordado, mas são destes que eu gosto, rs!
Também acredito que a fuga para a vocação religiosa é muito comum.. tanto que é um meio de escape para algumas pessoas. É curioso que algumas vivem a fé de modo mais natural, elas se reconhecem nisto, e outras são meramente submissas.

Tratando-se do filme, especificamente, pode ser mesmo que a personagem da Audrey tenha se diposto a esta vocação como fuga, contudo, não foi a percepção que eu tive ao assistir. Me pareceu mesmo que o que ela queria, naquele momento, seria a vida fora do cotidiano comum, mas não como um fuga, mas por um sonho, que certamente era difícil de explicar.
Na primeira vez que assisti o filme, me senti um pouco angustiado. Mas nas outras duas, ele "brilhantou" os meus olhos, hahaha.

e tua sinceridade é ÓTEMA! hehe
Acredito que temos a nossa vocação aqui fora, uns sabem usá-la, e muito bem, outros não. Na verdade nem sabe que existe vocação..."
Pois é, muitos passam toda sua vida pautados na mediocridade. Vemos isto todos os dias, e ao afirmarmos estamos apenas sendo sinceros, e não se sentindo superiores. Cabe a nós a cada dia ousadia para que não sejamos mais um, para que façamos a diferença e que a nossa vida tenha em si características singulares.

Enfim, logo respondo teu e-mail e conto-lhes outras coisas mais.

Espero que tudo esteja ótimo por aí.
A cada dia, também, gosto mais de ti. Tudo de bom! =) uma linda semana!

Beijos

Daniel disse...

A paz sempre estará em nossas mãos.
é adorável vir até aqui, sempre
Always.

Dan

Renato Hemesath disse...

Olá caríssima!

Acabei antecipando-me à atualização do teu blog. Afinal, o feriado acabou de começar; e por momentos me pergunto: vai levar muito tempo para terminar? u_u

Então, também tenho tido pouco tempo para atualizar e outras coisas adjacentes. Talvez porque quero fazer mil coisas num dia! haha, mas atualmente tenho lidado melhor com isto.

Amei teu comentário no post do filme do Todd.
E esta afirmação é bastante reflexiva: "Quanto menos pulsão tivermos, mais realizados estamos com nós mesmos."
E igualmente um pouco conflitiva se pensarmos na tendência do Sujeito a nunca "estar satisfeito" com sua própria vida et al. Pensando naquela 1ª dualidade pulsional do Freud, estar mais realizado diante de menos pulsão seria como uma condição ao princípio da constância. E logo, um certo prazer na constância em si, em "manter constante e inabalável" um estado de coisas. E parece que as vezes queremos isto: tudo em seu lugar. Mas, penso que por outro lado isto gera o mal-estar. Novamente o mal-estar. A "solução" é reconhecê-lo: descobri nestes tempos! hahaha. E sendo assim, penso que pulsionar pode também contribuir para nossa auto-realização, pois ela nos leva a sair do lugar, em muitíssimos casos.

Enfim, super divaguei. ._. E também para dizer que amei isto aqui: "E vivemos nesta contradição, buscar a felcidade em tempos tão difíceis... Acredito que o filme vem traduzir as nossas ações triviais." Tanto que até coloquei na página do Cine Freud do Facebook.

Fico feliz que tenha ido bem nas tuas provas!
Super parabéns novamente!

Logo mais nos falaremos por e-mail.

Bom feriado prá ti ! ! ! <3
Beijos