domingo, 6 de fevereiro de 2011

Que sejas um...

Foto: Somos um a partir do outro.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Vós sois o sal da terra. Ora, se o sal se tornar insosso, com que salgaremos? Ele não servirá para mais nada, senão para ser jogado fora e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lâmpada e a coloca debaixo de uma vasilha, mas sim num candeeiro, onde ela brilha para todos os que estão em casa. Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.
Mateus 5, 13-16

Peeping Tom - Placebo

Espião (tradução)

Cuidadoso para não cair
Eu tenho que escalar sua parede
Porque você é a única que me faz sentir muito mais alto do que você é
Eu sou apenas um espião
Sozinho por muito tempo
Problemas com a melancolia não deixaram nada mais a perder

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

A face que preenche o buraco
Roubou a minha alma destruída
A única que me faz parecer sentir muito mais alto do que você é
Eu sou apenas um espião
Sozinho por muito tempo
Problemas com as artes
Nada mais a temer

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

Mesmo com todas as apostas que eu perco
E todas as trapaças que atiro para o ar
Você ainda é a única
Que me faz sentir muito mais alto do que você é
Eu sou apenas um espião
Sozinho por muito tempo
Problemas com a melancolia
Não deixaram mais nada a perder

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

Eu estou vazio,
Eu estou nu,
Eu estou sem fé,
Eu estou com medo.

--

Permanecerei no contexto da postagem anterior, irei basear-me neste nosso esquecimento embaçado pelo outro que está ao nosso lado e nem perecebemos. Irei correlacionar, como sempre, a foto, o texto bíblico e a música da banda de rock alternativo Placebo.

#-#-# (In) Blurry Oblivion #-#-#

Habitamos num tornado sem saber. As nossas Vidas transbordam de agitação e hostilidade todos os dias. Claro, isso é mais que comum a todos nós... Acostumamos com a Solidão Cotidiana e não sabemos compartilhar mais nada, a não ser com quem queremos disputar (o nosso Concorrente da postagem anterior) alguma coisa. Acredito que podemos explicar isso.

Pois bem. Como disse Jesus no texto bíblico acima, se somos o sal da terra, como poderemos salgar se formos insossos? Jesus faz esta metáfora em relação a fé cristã Católica, em crer em Deus como nossa fonte única de Salvação Eterna. Nada adianta, mesmo se formos bons e fizermos a caridade por exemplo, se não tivermos fé, não seremos salvos. Agora direi o mesmo que Jesus, porém em um outro contexto. O que adianta possuírmos poder, sermos bens sucedidos e desfrutar de uma angústia inexplicável? É por isso que vivemos sem saber o verdadeiro valor que tem o outro em nossas Vidas, pois esta disputa desenfreada prevalece.

Parece patético ficar falando do outro a todo momento sem focar de fato neste tal "outro". Muitos não entendem e acham tão ridículo, diria, ficar falando de "seres fantasmagóricos" ou "seres imaginários" ou ainda "almas do além". Neste ponto, relacionarei a música do Placebo. No geral, percebe-se um sentimento íntimo do autor - diga-se de passagem que é o Brian Molko, vocalista e guitarrista da banda - e ele exalta que se sente mais alto que um certo alguém. E mais, que sem este outro alguém ele é algo sem valor, apenas um narrador observador (espião). Desta forma, ele se sente vazio, nu, sem fé e com medo quando está sem este alguém.

Na verdade, poderíamos entender através de diversos contextos distintos o que o autor desta música quis dizer com as suas palavras. Talvez um amor inatingível/platônico, enfim. Mas eu não pretendo tentar explicar o contexto exato e sim o que transparece ao contexto que quero explicar agora e que está nesta música. Precisamos do outro em nossas Vidas como o autor da música necessita deste alguém para sanar a sua melancolia. Desta forma, saímos do âmbito de narrador observador ou espião para a Empatia. Na Psicologia, este conceito pode ser atriubuído ao comportamento de sentir pelo outro - entrar na doença do outro (patia = pathós, doença em grego) - e aqui neste momento eu afirmo este mesmo significado em meu escrito. E acrescento mais, a Empatia a qual me refiro vai mais além ainda de entrar no outro. Como? Usarei um trecho de um poema muito lindo para tentar explicar o que quero explanar sobre isso:

"Não me interessa se a história que você me conta é verdadeira. Quero saber se você é capaz de desapontar o outro para se manter fiel a si mesmo. Se é capaz de suportar uma acusação de traição e não trair sua própria alma, ou ser infiel e, mesmo assim, ser digno de confiança."
Oriah Moutain Dreamer, "O Convite".

A Empatia então seria um voto de confiança para o outro. Como no poema acima, se somos capazes de errar e omitir que erramos ou se somos capazes de suportar todas as cruzes e decepções da Vida e ainda sim manter-se firme e digno de viver, sendo sincero com quem nos cerca. É este modo de Vida que podemos enxergar também como Empatia. Além de entender o outro em você, também entender os erros do outro como se fossem os seus e gostar deles, aprendendo a conviver com o outro e os seus atos errantes; atribuindo a você os erros do outro e sentindo como se tivesse errando como o outro e não fazer disputas e concorrências. Pensamos que ajudamos o outro quando mostramos que somos melhores, mostrando como exemplo as nossas práticas, o que fazemos de melhor na Vida, o que sabemos, mas nada disso importa para uma convivência plena e sadia com as pessoas. Sim, após o ato de empatizar-se, seremos fiéis a nós e ao outro, após esta Captação de Outro Ser em nós mesmos - isso seria Empatia em meu contexto, mudo somente a palavra para uma expressão.

Através de todas essas explicações, chega na parte final e logo após a conclusão da longa discussão de hoje. Se não podemos salgar com um sal insosso e se não podemos ser mais alto com a ajuda do outro, logo não podemos caminhar na trilha da Vida sem o outro. Somos um a partir do outro, como já citei algumas vezes em postagens anteriores. Na foto bem acima, fica evidente o que quero ressaltar agora. Somos diferentes, cada um com a sua cultura e o seu modo de agir, ser e pensar. Unindo tudo o que há de mais distinto em cada ser, podemos ser apena um. Mas somente, persisto, somente a partir do OUTRO. Quer um exemplo mais antigo e mais vivênciado por todos nós? Somos alguém sem as instruções de nossa mãe durante a formação de nossas personalidade na infância? Então...

Mais uma vez, está tudo esquecido e embaçado. Em todos os meus escritos termino assim, por isso que formulei a minha-ou-não teoria (In) Blurry Oblivion. Esquecemos por fazer da alteridade inexistente. Ou seja, por fazer da cultura alheia como se fosse somente uma pedra em nossos caminhos. E embaçamos por não se importar com a alteridade e nem com o outro que compõe esta alteridade, a alteridade dele mesmo.

Espero que nasçam por aí pessoas que sejam capazes de lutar pelo fim da hostilidade. Eu luto apenas neste humilde blog. Mas estou adquirindo conhecimento para isso, no meu caso, necessito entender mais a nossa sociedade e antes dela, a unidade do ser humano que a compõe. É claro, a partir do outro, pela centésima vez.

Por hoje é isso.

(In) Blurry Oblivion, até a próxima.



* Utilizei conceitos próprios e conhecimentos adquiridos em meus estudos para compor a postagem de hoje.
** Algo: me despeço desta maneira pois acredito que temos inúmeros esquecimentos embaçados e que vou tentando desmistificá-los ao longo de minhas postagens. Sei que é impossível descobrir tudo o que há me nossa mente, nem Freud conseguiu tal façanha. Por isso permaneceremos (In) Blurry Oblivion por todo o sempre.


10 comentários:

Évelyn Smith disse...

Para Renato: Entendi sim! Javier! O filme dele está passando num cinema cult que tem na Avenida/Rua Augusta aí em SP, não é? Eu vi algo sobre isso na TV Cultura. Aqui em Brasília está passando somente em dois cinemas, de classes mais altas, diria: Embracine e Cinemark.
Beijo. =)

Daniel disse...

Poxa quanta sabedoria doce anjo!
adorei toda a correlação!
pois é, muitos falam de outro, outras,
e não focam, não desfrutam
de quão ajuda possam fornecer.
Já vi muitos casos, em que a pessoa
ela tem uma certa religião e diz que tal religião prega isso e aquilo
mas na verdade, a teoria se sobrepõe a prática. Na verdade, a prática está nos detalhes, no dia a dia. Na demonstração de afeto, e poucos sabem o verdadeiro valor e impacto que isso causaria. Adoro seu blog, ele é super especial.

Dan

CARLA STOPA disse...

Adorei teu espaço...

ϟ ƒααвy ϟ disse...

Oiee, estou te seguindo.. me segue tambem?
http://bloggerfaby.blogspot.com/
Obg *-*

João Paulo, vulgo zeh disse...

Buenas madrugadas pra ti! hehe... Eitcha... cada vez mais chique seu blog, parabens! Cheio de gente intelectual e coisa e talz. Agora só estava faltando a minha ilustre presença... hehe... nada... Sempre leio os teus escritos, mas só agora tive um tempinho de comentar por conta das ferias da facul, ferias fora de epoca, coisas da fede... hehe... Vc me entende ne... Te adoro e conte comigo sempre q precisar ta... Bjoks... ;)

João Paulo, vulgo zeh de novo disse...

Por falar em escritos... Nem comentei sobre o q vc escreveu... hehe... Eu teria q comentar em todos, mas como tenho inteligencia limitada pra escrever... hehe... Acredito q precisamos do outro sempre, mas nao sabemos disso as vezes. Sua relaçao com os textos da biblia e agora com a musica do Placebo ficou muito bom msm. Necessitamos dos outros pra nos fortelecermos, concordo com isso, como diz na musica... Agora faça um escrito sobre fortalecer a si msm... Se nao for intromissao de minha parte é claro... hehe... Meu psicologo me falou sobre isso e achei interessante te contar e dai tu pode fazer um texto com essa base. Depois a gente conversa sobre isso. Boa noite e bjoks definitivas... ;)

Ritchy ϟ disse...

aah, placebo é realmente incrível!
adorei seu post *_*
Sábias e verdadeiras palavras
parabéns !
beeijo ;*

Daniel disse...

É sempre um prazer vir aqui querida amiga e lembrar de alguns ensinamentos do Pai. Somos Um a partir do Outro, e claro que isso envolve respeito e se colocar no lugar do outro para não desrespeitá-lo. É sempre ótimo e gratificante poder ler suas linhas, porque quando chego aqui, sempre saio diferente.

Dan

Renato Hemesath disse...

Olá caríssima e querida Evelyn! que saudades de vir aqui! e de conversar com você, lógico!
A minha vida anda cheia de loucurinhas, depois eu lhe conto melhor, por e-mail, claro... responderei hoje.
Reservei o meu domingo para conseguir organizar algumas coisas, a começar pelo Cine Freud. Tu sabe que sempre tenho as resenhas prontas, não é? mas me faltava tempo mesmo de publicar, responder os comentários e editar as imagens que, tratando-se de alguém tri-perfeccionista, requer tempo! hahaha

Ah, li teu comentário ao lado. Se ainda estiver em cartaz e não tiver assistido, veja! vale muito a pena. Foi o melhor filme contemporâneo que vi atualmente. Redundante não é? contemporâneo - atualmente, rs. É MAIS LOUVÁVEL QUE CISNE NEGRO, inclusive. Dica!!!

Sobre teu post.
Eu nunca conseguiria interligar tantas coisas. Ou talvez só depois de muitos anos tentando, hehe.
Bárbaro o que você falou sobre a empatia e sobre a hostilidade. Elas poderiam andar juntas? somos hostis porque não há visão do outro? muitas vezes somos levados a conceber que nossa existência é totalmente desvinculada a este lugar de ocupação do outro... são os seres autônomos que a sociedade quer formar que ajudá-nos a pensar sobre isto.
Tenho refletido sobre isto nos meus momentos "a sós" também. E assim visto que a angústia é decorrente da presença e ausência do outro - de modo que o mais valioso, neste contexto, é reconhecermos o nosso potencial em transformar, seja nas mínimas causas, mas sempre ciente de que a nossa existência não é naturalística, ela tem um propósito!

Contudo... há "outros" que não tem propósitos em nossas vidas. E sempre há aqueles momentos em que reconhecemos isto. Já conversamos a respeito né? ;D

Enfim, super boa semana para ti.
Nos falaremos =)
Beijão

Daniel disse...

É uma alegria reconfortante ter você no meu blog e poder ler suas palavras de carinho, e mais, poder vir aqui depois para verificar tudo o que escreve e ler cada vez mais, de uma forma diferente, "somos um a partir do outro" e isso refere-se a ações também que praticamos, ou seja, se praticamos o mal, como querer o bem de troca?Adoro seu blog Évy,

Dan