domingo, 9 de dezembro de 2012

Escrevendo com o inconsciente






Discurso de um quase vencedor

I

Levando aquilo do meu incomum para o mais próximo possível,
Beirando um grande satélite natural que reluz sobre o couro quase enrugado.
Machuca, mas não neste momento,
Apenas anestesia... mente e corpo... alma e coração.
Porém, não passa de um grande devaneio...
Há algo a ser contado, há algo a ser descoberto
Por mim, somente por mim.
Andando por aí, sem rumo definido...
Observando o decreto imposto neste plano sem fim.
“Cala-te não se importes comigo!”
O que importa quem está ao lado?
(aqui nada disso importa).
Percebo que existe um espelho vazio,
Onde não existe minha imagem e nem a do outro.
Uma simbiose aterrorizante entre a dor e o silêncio.
Como uma prostituta, na sua obrigação faceira de cada dia, que doa a sua noite por dinheiro
E no fim de tudo, tem as costas de um qualquer como resposta.
Na busca de um prazer correspondido, eis a sua função imediata e nada mais.
As suas lágrimas interceptam a sua essência e existência
Daquilo que nunca será corrompido por aquilo que todas as noites corrompe-se por entraves totalmente distintos.
Entraves que machucam o seu significado de inocência em sua tenra infância,
Entraves que mancham a sua dignidade, para alguns,
Entraves que enchem as suas vísceras de elementos inimagináveis.
Um pedido de socorro... quem sabe.
Suplique, então! Alguém pode lhe ouvir?
Continue suplicando...
Aos horrores de uma Vida retirante: onde o gozo é inexistente.

II

Ao olhar de um ser que é incapaz do reconhecimento de alguém,
Um olhar penetrante... tão penetrante quanto aqueles diversos entraves que enchem o seu véu obscuro da mais terrível solidão a cada noite.
A dor deste penetrar é inesquecível... não há nada que possa fazê-la desaparecer.
Nada rebuscado, nem mesmo uma amnésia histérica apaga tal amargura.
Porém, ainda continua olhando,
Ainda continua na vaga Vida da prostituição,
Onde não há escapatória.

III

Por tudo, algo foi descoberto e irei contar.
Este mesmo olhar teve um brilho no mais profundo de seu terreno observatório.
Para descobrir foi preciso vagar muito por esta terra-de-ninguém...
Um vago no tempo e no espaço.
A solidão que tudo mostra,
A tristeza que acalenta,
A amargura que abraça.
Eu, tu e eles,
Todos vivemos numa perfeita prostituição.
Onde entraves quaisquer
Dos soberanos aos paupérrimos,
Dos limpos aos sujos,
Dos que sabem aos que não sabem,
Entram e saem com mais facilidade nessa fiel prostituta que é a Vida!
Já não importa mais o outro,
O que importa são seus entraves.
Na utopia, encontram-se gozos quaisquer
E, assim, me encontro feliz.
Feliz por coisa qualquer
No uso e desuso,
No que é banalizado,
No que é irreal.
Ainda busco uma forma de satisfação plena,
Onde o verdadeiro gozo irá vir ao meu encontro
Em prêmio aos meus tantos e tantos anos dessa busca angustiante.
Enquanto é isso, me satisfaço com entraves que encontro em meu caminho,
Pois, lamento, sou somente um quase vencedor.
E lamento por não conseguir mudar o que a Vida me proporciona há tantos anos e tempos.
E nesta mesma-coisa-de-sempre permaneço
Com a fantasmagórica idéia de que um dia irei encontrar meu traço perfeito,
Mesmo com tudo a minha volta me chamando o tempo todo para ser um mero entrave.
Um homem prostituído, com seu entravizinho cheio de excrementos jogados por todas matérias vivas, de apenas mente e corpo, que interceptei nesses medíocres anos!
E nesta poça de excrementos permaneço sandio e insaciável...
Castrado pela realidade ditada e imposta a mim, vivo com as esperanças de um eterno prostituto de encontrar o gozo pleno num organismo-vivo mente e corpo com alma e coração.

3 comentários:

zeh verde disse...

mith... me chama pra sair com o seu inconsciente... ele parece ser um cara pra se aprender as coisas... vc tbm é... mas ele é um cara e entende melhor dessas coisas... hehe... fiquei sem saber agora se foi vc q escreveu isso ai... to confuso pacas... e ao mesmo tempo tocado por eu parecer com esse cara ai... ou seu inconsciente... sei la... depois me explica... limitaçao em entender palavras qnd se trabalha o tempo todo com numeros... hehe... bjoks... ;)

Renato Hemesath disse...

Oi caríssima!!! Eu voltei!!!

O mais triste em escrever esta frase é que parece-me inevitável não lembrar daquela música acho-que-homônima do Roberto Carlos. A minha memória não é nada seletiva em certas circunstâncias.

Agora, aos poucos, estou refazendo a minha vida. A palavra é terrível, mas tendo em vista que nos últimos meses dei tanto foco ao TCC, primordialmente, que ainda me parece estranho ter tempo disponível para fazer coisas importantes. Nestes dias eu tenho pensado como uma personagem do Audrey no filme wait until dark em que ela é cega e diz que queria fazer coisas importantes... como mum suflê... ou pintar um vaso ou uma caixa de madeira. Os últimos dois exemplos são meus.

Sobre o teu post, perguntava-me para que qual desfecho o texto nos levaria. E na realidade para lugar algum nomeável, pois sim, quando a gente se propõe a falar daquilo que é ics., que nos pertence, mas que temos um acesso tão parcial, falamos sempre de maneira não-toda. No momento em que você escreveu sobre o espelho, imaginei como possa ser a experiência de não ter um outro do outro lado que confirme que aquela imagem nos é... ou seja, que é algo para nós. Às vezes, na vida, o grande desafio em seguirmos o nosso caminho solitariamente, ou com objetos tão "parciais", é exatamente esta sensação de vazio onde deveria existir alguém ali, comprovando-nos que a imagem é nossa.

Anyway, no demais me organizando! te conto por e-mail.

Beijos e saudades!

Anônimo disse...

[url=http://www.frankgorejersey.net/]Frank Gore Jersey[/url]

This means that God is "allowing" this man to come forth at this time to eventually rule most, if not all of the earth, for a specified period of timeThe less hair on your dog the cooler he will keep Were they visited by aliens? Who knew of a possible future? Who knows, probably possible if one believes of the reverse engineering projects on spacecraft in New Mexico

[url=http://www.torreysmithjerseys.com/]Torrey Smith Jersey[/url]

Am I not more than a bird to God? You better believe it and so are you! Birds don't work or store up food yet God takes care of them2 When the paper is perfectly positioned, the print head goes to town, firing droplets of ink at the paper Perceive the chaos and damage they would create if the above mentioned swapped roles

[url=http://www.broncosnflprostore.com/]Nike Peyton Manning Jersey[/url]