terça-feira, 19 de junho de 2007

"O Encosto."


Figura: Capa do álbum "Without You I'm Nothing" (1998) da banda inglesa Placebo.

Tal figura demonstra com exatidão minha convivência com todos pertencentes a esta sociedade atual, vejo todos aqueles que me cercam, mas ao mesmo tempo sou capaz de não destingüir ninguém. Deste modo, fico consternada e com pensamentos cheios de lamúrias, como estas duas mulheres da mesma, totalmente sem brilho, apagadas pelo sentimento chamado por mim de "O Encosto". Somente assim pode ser denominada a Solidão, algo que não saí de Meu Circuito Vital e Mental...
Ao som de "It", Genesis, penso que Minha Vida poderia ser bem melhor... Imagino-me correndo nos verdes da cidade, nos meios das avenidas, nas pistas planas sem fim. E com tudo isso, vejo meus amigos em segundo plano e junto a eles, um Amor Recíproco que tanto sonho ... Ah, o quão maravilhoso seria se fosse verdade esta Minha Utopia! É, utopia... Agora já acho Minha Vida Almejada uma mera fantasia. Uma espécie de sonho infantil que nunca se realiza. Ao meu redor o que me resta é um blog onde ninguém visita e nem muito menos lêem estas linhas de pensamentos de um jovem depressivo.
É isso... É isso que me resta...? Nem se eu mudar Minha Vida? Vou voltar a fazer exercícios físicos numa academia, vou entrar num cursinho pré-vestibular e ainda, entrarei num grupo da Igreja. E agora, será que nem assim conseguirei uma boa alma que me oferecerá ajuda e uma amizade? Deus, por obséquio! Dê-me isso de presente! Não Lhe pedirei mais nada, absolutamente nada!

Sigo dessa forma: Alguma de minhas composições e, logo após,algum pensamento; poema; texto que admiro. É isso.

SEM RETORNO - SMITH (Eu), 26/05/2006.
Atacando meu meio fútil
Para explodir e desabitar
Clamando pela rapidez desta bomba
Para desertificar tal "proeza"

Conseguirei, de vez, sair daqui?
Conseguirei, finalmente, minha liberdade?

Pode ser somente um sonho
Uma utopia qualquer

A verdade existente e suplicada
Poderia torna-se real

Veio à tona o amanhã e o "se"
Veio à tona o arrependimento
É a falta de coragem traduzindo minha Vida

Suspiros através dos ventos
Fazem uma melosidade com as folhas das árvores

É o que posso ver daqui
Dessa janela onde, lá longe, mostra-me a liberdade almejada

Apenas tenho vontade de fugir, loucamente
Por esses vastos bosques
De tal lugar "desabitado"
Cercado por "desumanidades"

Uma ficha sem retorno para meus ideais e súplicas jamais atendidas
Mostram-me os dons de prostrar-se diante as Circunstâncias Vitais.




Bachianas Brasileiras No. 5:
Ária (Cantilena)
-Melodia: Villa-Lobos
-Voz: Victoria de Los Ángeles
-Letra: Ruth Valadares Corrêa


Tarde uma nuvem rósea, lenta e transparente.
Sobre o espaço, sonhadora e bela!
Surge no infinito a lua docemente,
Enfeitando a tarde, qual meiga donzela.
Que se apresta e a linda sonhadoramente,
Em anseios d'alma para ficar bela.
Grita ao céu e a terra toda a natureza!
Cala a passarada aos seus tristes queixumes
E reflete o mar toda a sua riqueza...
Suave a luz da lua desperta agora
A cruel saudade que ri e chora!
Tarde uma nuvem rósea lenta e transparente.
Sobre o espaço, sonhadora e bela!

Um comentário:

Fabrício Almeida disse...

Bom, agora que estou com tempo, resolvi deixar um comentário em cada tópico seu.

Claro, este encosto existe dentro de cada um de nós, por mais que seja mínimo em algumas pessoas.

A alegria é momentânea e assim como a solidão, ela também é passageira.

Tente ocupar a sua mente com aquilo que lhe faz feliz. Algum amigo ou amiga antigo (a), por exemplo, tente voltar a falar com ele (a). Ou volte seu tempo para seus trabalhos sociais, sei que gosta muito de fazer isso.

Tenha fé e perseverança na sua vida e torça sempre pelo melhor por você! Não é egoísmo e sim é amar a si própria e isso até Cristo nos ensinou.

Abraço!